domingo, abril 23, 2006

A mudança, o lixo e o brilho (Da série Nunca te vi, Sempre te amei)



Alex,


As vezes a gente só consegue ver o lixo, não é? Quando o nosso olhar procura e não encontra, parece que só tem lixo, mesmo. Cata aqui, cata ali e nada de purpurina, de brilho, de luz. Mas sabe o que eu vejo? Talvez não haja purpurina, porque o brilho está em ti. E quando as coisas estão em nós, ocorre delas serem mais difíceis de achar, sabe? Nosso olhar nem sempre enxerga o suficiente pra reconhecer a própria luz. Essa luz de quem não precisa dar razões pra fazer coisas boas pra quem gosta, de quem ausente se faz próximo, de quem nem mede o tempo gasto com o outro, porque reconhece de cara o que não é de medir. Acho que foi por isso, e só por isso, que não encontraste a purpurina...
Beijos com asas
imagem: tânia carvalho

3 Comentários:

Blogger CALEXIco. disse...

"Sem data

Claro, o dia de amanhã cuidará do dia de manhã e tudo chegará no tempo exato. Mas e o dia de hoje?
Só quero ir junto com as coisas, ir sendo junto com elas, ao mesmo tempo, até um lugar que não sei onde fica, e que você até pode chamar de morte, mas eu chamo apenas de porto."

Caio F.

Glau,

Ando meio tenso, mas não leva a mal, não.

Isso é tudo lindo. Tem brilho na vida sim. Mas nem tudo brilha o tempo todo. São momentos, portos, mortes.

Beijo

24/4/06 14:26  
Blogger Gláucia disse...

Eu sei querido, eu sei.
Tô torcendo pra ficares.
Um beijo pra ti.

24/4/06 14:33  
Blogger Gláucia disse...

Quis dizer "tô torcendo pra ficares bem". Eita que a dislexia tá pegando.

24/4/06 16:29  

Postar um comentário

Voltar

free web stats eXTReMe Tracker

Apollofind Counter

referer referrer referers referrers http_referer